Arqueologia Jê do Sul do Brasil: ambiente, sistema, poder e experiência na paisagem de Urubici, Santa Satarina

Rafael Corteletti, Paulo DeBlasis

Resumo


Neste texto será debatida uma “estratigrafia da paisagem” Jê do Sul do Brasil, através do uso do conceito paisagem em diversos gradientes, desde uma abordagem natural até uma abordagem cultural. Será observada a “paisagem como ambiente”, isto é, a paisagem abordada como reconstrução de ambientes específicos, a partir de estudos de paleo-ambiente; a “paisagem como sistema”, ou seja, a paisagem compreendida através da criação de padrões de atividades intra e intersítios; a “paisagem como poder”, ou seja, a paisagem interpretada como fator de manipulação ideológica nas relações de dominação e resistência; e a “paisagem como experiência”, isto é, a paisagem percebida e imbuída de significado em função de esquemas sociais ou cosmológicos.

Palavras-chave


Arqueologia da paisagem; Jê do Sul; Santa Catarina.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v5e22018132-164

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Rafael Corteletti, Paulo DeBlasis

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.