Políticas de silenciamento da nudez de mulheres indígenas Waimiri Atroari no facebook: uma análise discursiva.

Carolina Pinheiro Barros, Thays Coelho de Araújo, Davi Avelino

Resumo


O presente artigo busca analisar as políticas de silenciamento e de censura do corpo feminino indígena na rede social Facebook. O corpus é constituído por recortes de imagens retiradas da página da Fundação Nacional do índio (FUNAI), ao mostrar mulheres indígenas Waimiri Atroari na sua forma culturalmente naturalizada,  ou seja, com seus seios à mostra. A materialidade discursiva analisada refere-se a postagens do dia internacional da mulher indígena, em setembro de 2018. Como escopo teórico, buscou-se auxílio, especialmente, nos conceitos de interdição e exclusão de Foucault (1988;1998). Para tratar da política do silêncio e da censura, apoiamo-nos em Orlandi (1999,2007). Os resultados deste estudo indicam o controle de circulação da imagem do corpo feminino em contextos de representação da cultura indígena. Desse modo, o cerceamento da apresentação do mamilo indígena, no facebook, interdita e exclui manifestações culturais da mulher indígena além da historicidade que ela carrega consigo.

Palavras-chave


Mulher indígena. Silenciamento. Censura.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v6e1201954-74

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carolina Pinheiro Barros, Thays Coelho de Araújo, Davi Avelino

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.