A evolução do personagem neopícaro em Memórias de um Gigolô

Adir Felisberto da Rosa

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar uma análise do personagem principal Mariano do romance Memórias de um Gigolô (2011), de Marcos Rey, na perspectiva de construção (evolução) do personagem neopícaro, ou malandro, no decorrer do enredo. Para tal, serão usadas como fundamentação teórica os estudos de Roberto DaMatta (1997), González (1994), Candido (2004) e Botoso (2010). Os estudos acerca do personagem neopícaro muitas vezes perpetuados em textos canônicos como Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida e Macunaíma, de M|rio de Andrade nos fazem refletir sobre a “fertilidade” dessa tipologia em terreno brasileiro. Nesse sentido, encontramo-nos frente ao icônico personagem malandro dos anos trinta, Mariano, da obra Memórias de um Gigolô (2011). Inicialmente, apresentaremos o personagem pícaro e a sua evolução até chegar a neopícaros e suas características, tais como a malandragem, a roupa, aversão ao trabalho e a vida boemia por meio da trapaça e do uso de ferramentas como a inteligência e a astúcia. Em seguida, apresentaremos o enredo e o processo de construção, na perspectiva evolutiva, do personagem neopicaresco Mariano, correlacionando-o com o espaço e a formação da malandragem favorecida pelo convívio desse personagem em ambientes como bordéis, casas noturnas e pensões, fatores que o levam a se tornar um malandro típico da sociedade paulistana da década de 1930.

Palavras-chave


Neopícaro. Malandro. Memórias de um Gigolô.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v6e1201988-102

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Adir Felisberto da Rosa

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.