A perspectiva ciborgue, identidade e diferença em Dawn (1987), de Octavia E. Butler

Danielly Cristina Pereira Vieira, Brenda Carlos de Andrade

Resumo


O ciborgue é constantemente utilizado para representar as complexas e constantes transformações identitárias que constituem a humanidade pósmoderna. Esperamos refletir acerca da problemática proposta por Octavia Butler acerca do corpo ciborgue relacionando-o à subjetividade identitária humana a fim de suscitar o debate acerca da nossa própria realidade enquanto sujeitos metamórficos, pós-modernos. É nessa perspectiva que trabalharemos com a obra Dawn (1987), de Octavia E. Butler, objetivando analisar a transformação do corpo humano para um corpo ciborgue entendendo esse processo como metáfora para o romper de fronteiras principalmente identitárias e o seu rejeitar como metáfora para a visão essencialista acerca da diferença. Para isso, utilizaremos Tomaz Tadeu (2009), Chris Gray, Steven Mentor e Heidi Figueroa-Sarriera (1995) e Donna Haraway (2009), para discutir a teoria do ciborgue e Gloria Anzaldúa (1987), Ernesto Laclau (1990), Edward Said (1995), e Stuart Hall (2006; 2011) para discutir a questões sobre identidade e diferença.

Palavras-chave


Ciborgue. Identidade. Diferença.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v6e12019188-200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Danielly Cristina Pereira Vieira, Brenda Carlos de Andrade

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.