A EXTERIORIDADE NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO E DO SENTIDO

Juliana de Castro Santana

Resumo


Este estudo teórico-analítico, ancorado na Análise de Discurso, reflete sobre o funcionamento da linguagem no que se refere à produção do conhecimento e de sentido(s) sócio-historicamente compartilhados, considerando que não é possível significar o mundo fora da linguagem. Percorre a hipótese de que o funcionamento do corpo, a produção de sentidos e o processo de produção do conhecimento científico se assemelham ao funcionamento da linguagem, porque, de fato, tudo é linguagem. Para tanto, explora a relação entre língua, vazio, silêncio e sentido(s), partindo de um conto de Kafka e da metáfora do vaso e do oleiro, de Heidegger, sem perder de vista o processo de produção do conhecimento e sua relação com a linguagem e os gestos de interpretação. A análise sugere que no cerne da produção do conhecimento não está a essência, o objeto real ou a substância, mas sim o silêncio, o vazio, a barreira e a contradição.


Palavras-chave


Conhecimento Científico; Exterioridade; Linguagem; Análise de Discurso

Texto completo:

PDF/S


Ling. disc. Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 1982-4017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.