Os espaços órfãos em terra avulsa de Altair Martins

Márcia Regina da Silva Quintanilha Veras, Mairim Linck Piva

Resumo


Esta análise pretende pensar na espacialidade na obra Terra avulsa, de Altair Martins. A obra evidencia no seu plano imagético a questão do espaço físico relacionando-o com as questões subjetivas, no qual o autoexílio caracterizase como renúncia ao mundo exterior que comprime a subjetividade. Para melhor refletir sobre categorias espaciais na obra, que se configuram como espaços de proteção e resistência em oposição a espaços de descentramento e controle, buscamos a contribuição da teoria do imaginário nas linhas de Gaston Bachelard e Gibert Durand; para discutir sobre os fenômenos sociais que levam a personagem à situação de isolamento, apoiam-nos no olhar sociológico de Zygmunt Bauman.

Palavras-chave


Espaço; Imaginário: Terra avulsa.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19177/memorare.v4e2-II201722-55

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Márcia Regina da Silva Quintanilha Veras, Mairim Linck Piva

Revista Memorare, Universidade do Sul de Santa Catarina, Santa Catarina, ISSN 2358-0593.

  Licença Creative Commons
Revista Memorare de Revista Memorare está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.